A colecção A Doçaria Portuguesa resulta do projecto de investigação NO PONTO, de Cristina Castro.
Trata-se da mais completa recolha da história e das tradições de todas as especialidades doceiras portuguesas que se podem encontrar hoje em todo o país, em 4 volumes: Norte, Centro, Sul e Ilhas.
O projecto tem vindo a produzir reportagens em vídeo de cada doce, cuja base de dados está disponível AQUI.

Logo Fugas

Uma pesquisa séria e rigorosa

Depois de ter lançado um primeiro livro sobre o Norte de Portugal, Cristina Castro guia-nos agora, docemente, pelo Sul do país. […] No prefácio, Maria de Lourdes Modesto sublinha que aqui encontramos a história “não fantasiada” de cada doce. E essa é uma das grandes virtudes do trabalho de Cristina Castro: uma pesquisa séria e rigorosa.

Alexandra Prado Coelho / Fugas, Público
Ler mais
Logo Público

Bem vindo ao mundo dos doces

Borrachinhos, papudos, sardões, passarinhas, ferramentas de São Gonçalo, o bolo de discos, que a senhora Rosa Maria faz em Arcos de Valdevez, os caladinhos, de Santa Maria da Feira… bem vindo ao mundo dos doces, muitos com nomes curiosos, e suas histórias, relacionadas com lendas, romarias e santos padroeiros, por exemplo. Cristina anda encantada por poder contá-las. E também os prova.

Andreia Sanches / Público
Ler mais
Logo Time Out

Contam-se as histórias de 157 doces, uns conventuais, outros populares; uns mais recentes que outros, alguns com ovos, açúcar e amêndoas, outros com vinho, cerveja ou cozinhados dentro de estômagos de porco. É para coleccionar e é uma bela prenda de Natal.

Mariana Morais Pinheiro / Time Out Lisboa
Ler mais
Virgílio N. Gomes

Um documento obrigatório

Estamos perante uma obra de uma dimensão invulgar. […] Tive a sorte e o prazer de acompanhar algumas diligências nesse sentido. A breve prazo, e após a obra terminada, ninguém poderá dizer que estudou a doçaria portuguesa sem consultar estes trabalhos. Será um documento obrigatório.

Virgílio Nogueiro Gomes
Ler mais
Logo Evasões

Um doce por semana

“Apercebi-me que as pessoas que fazem os doces, e os doces com muita história, têm uma relação muito sentimental com a doçaria. Uma senhora dizia-me que tinha de fazer os doces não para continuar o negócio, mas porque era a única forma de estar junto da mãe.”

Sara Dias Oliveira / Evasões
Ler mais
Logo Etaste

Perfeito para continuar a colecção

Se ainda não tem prenda para aquela pessoa que ostenta a ‘A Doçaria Portuguesa – Norte‘ na sua estante, fica agora a saber que já saiu o novo volume, desta vez dedicado aos doces do sul do país. Perfeito para continuar a coleção […]. Depois de Virgílio Gomes no norte, o sul conta agora com prefácio de Maria de Lourdes Modesto.

Rui Pedro Mota / Etaste
Ler mais